Objetivos e planos diferentes podem destruir um relacionamento / Projetos e combinados para o futuro de um casal

Na relação amorosa é importante combinados. Quanto mais o casal estiver comprometido no relacionamento, mais necessárias serão as conversas sobre os desejos e planos de vida de cada um. É perigoso o silêncio e a falta de clareza daquilo que cada um considera importante e fundamental para a sua vida. Por exemplo:rumos diferentes

  •  Irão casar? Quando? Tem algum “prazo”?
  • Existe o desejo de ter filhos ou não? Caso um queira e o outro não, o casal terá que conversar sobre essa questão, avaliando o que é possível ou não ceder, se a decisão será satisfatória para ambos.
  • Como serão os projeto e planos financeiros?

 Seja em um namoro mais sério, noivado ou casamento, o casal precisa falar sobre os projetos de vida. Quanto mais diferentes forem os valores e expectativas, mais necessárias serão as conversas. As pessoas podem se amar muito, terem afinidades, conviverem de forma bacana, mas pode ser grande problema para o casal se cada um quiser seguir rumos diferentes em suas vidas.

Pode ser motivo de muitas brigas e decepções se ignorarem e adiarem por muito tempo essa conversa. É essencial tentar “negociar” e encontrar um caminho em que os dois poderão caminhar juntos.

É preciso se respeitar, em que possa ter equilíbrio nesse ceder e compartilhar entre o casal, sem anular a identidade de cada um. É natural se reinventar a cada nova fase de vida, mas existe um limite de até onde cada um consegue ser flexível. Por isso é importante a pessoa saber o que ela quer para seu futuro, entender o que é importante e fundamental para si. Só assim ela poderá dizer ao companheiro quais são os projetos que ela pretende construir para sua vida.

As pessoas podem mudar de idéia, as coisas não são fixas e nem determinantes para a vida toda. Também existem imprevistos. Conforme as coisas vão acontecendo, é possível conversar com o companheiro sobre os novos desejos e interesses. Essa troca constante em cada fase de vida é o que normalmente uni e fortalece os laços do casal. Os acordos devem ser renovados a cada etapa da vida.

É importante o acompanhamento com o psicólogo caso a pessoa não saiba ao certo o que ela realmente quer, ou então quando acontece conflitos no relacionamento amoroso por falta de concordâncias desses planos e projetos.

Categories: Ansiedade, Baixa autoestima, Conflitos familiares, Insegurança, Relacionamento amoroso | Tags: , , , , , , | Deixe o seu comentário

Pais autoritários, filhos com problemas / Como dar limites e ajudar os filhos terem autonomia

pais rígidos autoritárioÉ necessário os pais darem limites. Assim, o filho aprende a lidar melhor com as próprias frustrações, a conviver em sociedade. Mas educar não significa oprimir ou exigir obediência absoluta. Os filhos precisam de espaço para desenvolver a autonomia e maturidade emocional.

É fundamental dar oportunidade para o filho despertar consciência, dessa forma ele será capaz de dizer “sim“ para as coisas boas e “não” para aquilo que pode ser ruim. Isso só é possível se, aos poucos, ele for permitido a questionar e opinar, aprendendo a negociar e refletir sobre suas escolhas e comportamentos.

Se os pais não permitirem e ensinarem o filho a pensar e decidir por si mesmo, ele não saberá fazer isso “fora de casa”. Talvez ele tenha dificuldade de estabelecer limites com as outras pessoas. Possivelmente o filho terá mais dificuldade para se relacionar com os outros, poderá não se sentir confiante e sua criatividade será limitada, prejudicando a forma que ele lidará com os desafios e frustrações do dia a dia, afetando a sua vida pessoal e futuramente profissional.

Pais autoritários podem gerar filho:

  • Inseguro, baixa autoestima, sintomas de estresse, depressão ou ansiedade.
  • Agressivo, confrontando pessoas que representam algum tipo de autoridade.
  • Adulto rígido, em que cobra muito de si mesmo e dos outros. Nada será bom o suficiente. Dificuldade em se divertir e relaxar.
  • Resistente a falar e reconhecer sobre os próprios sentimentos, sobre suas dificuldades.
  • Passivo, esperando que alguém o diga o que deve ou não fazer. Dificuldade para argumentar.

 

O bom senso deve estar na mente dos pais, entendendo o que é adequado para cada fase e idade do filho. Não é interessante os pais serem inflexíveis ou cederem a todos os pedidos do filho. É importante estabelecer as regras, explicando ao filho o porque dos combinados.

É indicado o acompanhamento com psicólogo quando os pais ficam confusos quanto à forma de conduzir os limites ou a flexibilidade com os filhos. É momento de encaminhamento para o psicólogo quando os pais sentem que o filho está tendo problemas nos relacionamentos ou conflitos emocionais. O profissional poderá orientar e ajudar no desenvolvimento saudável da criança e adolescente.

Categories: Adolescentes, Ansiedade, Baixa autoestima, Compulsão, Comunicação, Conflitos familiares, Criança, Desânimo, Dificuldade de aprendizado, Disciplina, Educar, Estresse, Insegurança, Limites, Períodos difíceis, Personalidade, Quando buscar atendimento psicológico?, Tristeza | Tags: , , , , , , , | 1 Comentário

Problemas em tentar ser herói / Diferença entre: Ajudar X Salvar

Algumas pessoas costumam ajudar os outros. Sentem-se bem dessa forma. Isso pode ser muito saudável, além de ser algo muito bacana e importante para a sociedade. Realmente fazer o bem traz satisfação pessoal. Mas é importante o equilíbrio. Não respeitar os próprios limites pode trazer muitos problemas, e também pode ser sinal de alguma dificuldade emocional.

Existe diferença entre querer ajudar e querer “salvar” o outro:

  • Ajudar – a pessoa colabora dentro de suas próprias possibilidades. Sabe até onde pode ir, respeitando os próprios limites. Dá espaço para o outro ser agente da própria mudança, para ele sentir capaz de resolver os próprios problemas. 
  • Salvarse responsabilizar pelo bem estar e felicidade do outro. Acaba assumindo os problemas dele, sentindo-se na obrigação de ser “herói”. Sobrecarrega-se. A situação piora quando percebe que não tem controle sobre o sofrimento do outro. Surge sensação de culpa e frustração.

Geralmente busca alguém para ajudar, cuidar ou salvar. Normalmente, acredita que sua vida só terá sentindo se for “herói”. Sem perceber, se aproxima de pessoas que estão com grandes problemas, ou se envolve intensamente em projetos sociais. Abre mão da própria vida, de seu próprio bem estar. 

Essa necessidade de ser “útil” consome e prejudica a sua saúde física e emocional. Muitas vezes esse comportamento revela que na verdade é o “herói” quem precisa ser “salvo”. Ele não quer olhar para as suas emoções, então se volta para os sentimentos dos outros.

É interessante refletir:spider2

  • Será que tenho todo esse poder?
  • Eu aceito que nem sempre poderei ajudar as pessoas? Aceito que muitas vezes é ela quem precisará fazer algo para se ajudar? E se ela não quiser a minha ajuda, consigo suportar isso?
  • O que me atrai em querer ajudar os outros? O que busco com isso?
  • Será que preciso me sentir necessário e útil? Preciso mostrar que sou capaz?
  • Consigo olhar para dentro, para o meu sofrimento emocional?

Cada um tem a sua própria história, em que existem sofrimentos e superações. Não é saudável a tentativa de assumir todas as dores dos outros, esquecendo-se de si mesmo. É importante o acompanhamento com o psicólogo quando a pessoa prejudica a sua vida pessoal e profissional com essa necessidade de ser herói.

 

Categories: Ansiedade, Desânimo, Estresse, Quando buscar atendimento psicológico?, Tristeza | Tags: , , , , , , , | 1 Comentário

Guardar objetos – valor sentimental / Quando se torna problema?

malasÀs vezes a pessoa guarda coisas porque tem algum valor  sentimental. Por exemplo, sente que o objeto:

  • Manterá viva as recordações de um momento importante de sua vida;
  • Será útil algum dia;
  • Passa sensação de segurança e felicidade, preenchendo o vazio dentro de si (nesse caso é indicado avaliação psicológica)

Não tem nada de mal guardar uma ou outra coisa como lembrança, mas pode ser sinal de transtorno emocional quando sente que aquele objeto é essencial para a sua sobrevivência, perdendo o controle de seus pensamentos, escolhas e comportamentos.

É interessante refletir:

  • Por que esses objetos são tão importantes para mim? O que eles representam e me fazem lembrar?
  • Será que tenho limites e controle sobre esse apego?
  • Isso tem atrapalhado a minha vida? O que acho que pode acontecer se eu me livrar desses objetos?

Pensa que necessita desses objetos para sentir alívio, prazer ou felicidade. Fica mais frágil e vulnerável ao acreditar que essas coisas a fazem sentir viva e completa. Normalmente, tudo isso é uma tentativa frustrada de fugir das emoções mal resolvidas. A sensação de vazio e angústias só aumentam com esse comportamento. A pessoa se torna cada vez mais dependente dessas coisas. Tenta anestesiar os sentimentos, mas os objetos nunca serão o suficiente para melhorar ou preencher a vida dela.

É comum essa pessoa ter dificuldade em lidar com perdas, frustrações e separações. Ela precisa entender que esses objetos não tem poder sobre ela, é ela quem dá poder aos objetos. Eles não vão trazer segurança, não vão tornar a sua vida mais interessante ou feliz. É preciso olhar para dentro de si, achando as respostas para enfrentar esses medos.

É preciso se dar oportunidade de enfrentar as dores emocionais. É possível ficar mais forte se conhecendo melhor. O psicólogo poderá ajudar nessa superação.

Categories: Ansiedade, Baixa autoestima, Compulsão, Insegurança, Luto, Quando buscar atendimento psicológico?, Tristeza | Tags: , , , , , , , | 1 Comentário

Como manter a chama do casal acesa? / Não se esqueça de ser interessante para o seu companheiro (a)

Casal-se-olhandoNo começo da relação, o casal costuma pensar muito em como se tornar atraente e conquistar o olhar do companheiro. Normalmente, depois de um tempo juntos, esses pensamentos deixam de ter tanta força quanto no início da relação. As pessoas se sentem mais a vontade ao lado do outro. Esse comportamento pode ser:

  •  Positivo: o casal aumenta a intimidade, sente-se mais seguro e confiante na relação. Talvez eles mudem a forma de se dedicar um ao outro, mas não perdem o interesse em ser atraente ao parceiro (atraente não só fisicamente, mas atraente também no comportamento, no companheirismo,…).
  • Negativo: as pessoas se acomodam, esquecendo a importância de se dedicar e querer ser interessante para o companheiro.

É essencial: relembrar o quanto é bom desejar o olhar do outro; estar aberto para se envolver e se encantar pelo seu parceiro; pensar nas qualidades do companheiro; ter vontade de se interessar por aquilo que é importante para ele (planos e opiniões). A relação é renovada quando a pessoa se preocupa com a própria imagem, busca se dedicar ao companheiro, sendo carinhosa , escutando, namorando o parceiro. Isso aumenta o vinculo e envolvimento entre o casal, podendo manter a chama acesa, preservando a autoestima do casal com essa união.

É interessante os dois despertarem interesse. Mas o principal é a própria pessoa despertar interesse em si mesma. Lembrar o que ela tem a oferecer, em como ela pode ser interessante e atraente para si e para o seu companheiro.

Ser interessante não significa passar por cima da própria personalidade ou dos valores. A individualidade, o respeito e os limites precisam existir. É necessário o equilíbrio, em que haja espaço nessa relação para os dois. Também é importante a troca entre o casal, em que os dois se dediquem a relação, cada um do seu jeito (as pessoas são diferentes).

 É relevante a pessoa refletir:

  • Será que olho positivamente o meu namorado / esposa? Presto atenção nas qualidades dele (a)?
  • Reservo um tempinho na minha agenda para escutar e conversar com ele (a)? Nós compartilhamos nossos interesses, prazeres, incômodos do dia?
  • Tento me sentir bonito (a) e interessante para ele (a)? Ou acaba relaxando, não me arrumando, não ligando muito para o que ele pensa ou a forma como ele me vê?
  • Tenho a preocupação em ser educado (a), respeitoso (a) e carinhoso (a) com ele (a)?

Haverá momentos da vida em que o casal estará mais cansado, menos disposto ou com mais problemas. Oscilações são normais, não existe relação sempre feliz, ou relação 100%. Mas a postura positiva ajudará o casal enfrentar os desafios da relação e os períodos difíceis.

Quando houver muitas magoas e grandes conflitos entre o casal, será mais difícil o companheiro (a) se tornar interessante. Se nesse momento o casal não conseguir resgatar o comportamento positivo, é importante o acompanhamento com o psicólogo.

Categories: Conflitos familiares, Estresse, Insegurança, Relacionamento amoroso, Sexualidade | Tags: , , , , , , , , | Deixe o seu comentário

Eclético ou Confuso e sem personalidade / Saiba a diferença e os perigos em não saber o que quer

pessoa ponto interrogaçãoExiste diferença entre a pessoa eclética e a pessoa confusa:

  • Eclética: gosta de coisas diferentes e sabe o que quer
  • Confusa: tem dificuldade em identificar o que deseja. Não sabe o que lhe faz bem ou desagrada

É possível ser eclético e ter personalidade. Gostar de estilos de músicas e roupas diferentes, amigos com perfis diversos, pertencer a “tribos” e ambientes variados. Essa pessoa pode ser aquela que aceita e gosta de diversidades. Essa flexibilidade pode ser muito positiva na vida dela, abrindo oportunidades, ampliando a visão de mundo e a sua criatividade.

Com o passar dos anos é natural ocorrerem algumas mudanças de opiniões, de gostos ou de objetivos. Normalmente a pessoa muda a forma de pensar a cada experiência nova. Por exemplo: dificilmente a pessoa adulta pensará exatamente da mesma forma de quando ela era adolescente. São comuns novas reflexões, novo jeito de pensar e se comportar a cada fase de vida.

Então, isso quer dizer que estar confuso significa falta de autoconhecimento, falta de reconhecimento dos próprios sentimentos, daquilo que machuca ou do que traz alegria.

A pessoa perde a própria identidade quando deixa apenas os outros decidirem por ela, aquilo que ela deve goste, pensar ou falar. Essa postura pode ser muito negativa, gerando sintomas de depressão e ansiedade para aquele que não respeita ou não entende os seus próprios desejos.

Reflita:

  • Você sabe o que quer? O que te faz sentir melhor ou mais motivado?
  • Tem momentos em que se sente muito confuso e perdido nas suas decisões ou escolhas? (até certo ponto, todos se sentem assim em algum momento da vida, mas pode ser perigoso quando essa sensação continua a “aparecer” com frequência, prejudicando a vida pessoal e profissional)

Quem está confuso precisa olhar para dentro de si, entender o que não está “legal” (exemplo: insegurança e baixa autoestima). Quem fala muitos “tanto faz”, normalmente deixa de lado as suas vontades e suas emoções. Pode ser porque não consegue colocar limites para os outros, ou então porque não sabe o que é bom ou necessário para si. As respostas dessas questões estäo dentro da própria pessoa.

Quem não se conhece o suficiente ou é muito inseguro, pode ter prejuízos sérios na vida. Nesses casos, é indicado o acompanhamento com o psicólogo, ele pode ajudar a pessoa se entender.

Categories: Adolescentes, Baixa autoestima, Insegurança, Quando buscar atendimento psicológico?, timidez | Tags: , , , , , , , | Deixe o seu comentário

A pessoa presa ao passado, não consegue viver o hoje / Formas de se despedir das épocas marcantes de sua vida

Opreso ao passado relogios momentos de alegria ou de tristeza podem ser marcantes, e por esse motivo, difíceis de serem esquecidos ou superados.

A pessoa sofre e fica presa ao passado quando:

1 – não consegue aceitar que determinada época não voltará mais. Pode ser difícil se despedir de momentos importantes, de boas lembranças, porque a pessoa:

  • Tinha menos responsabilidades e poucas preocupações
  • Maior convivência com aqueles que amava ou considerava bons amigos
  • Namoro inocente
  • Sentia que tinha sucesso

2 – não consegue lidar com as dores emocionais. Recordações ruins deixam feridas, difíceis de cicatrizar ou enfrentar, por exemplo, quando a pessoa:

  • Era mais pressionada ou agredida (de alguma forma)
  • Sentia-se rejeitada
  • Sentiu decepção ou abandono
  • Teve problemas financeiros

A pessoa pode ficar acorrentada a quem ela era e ao que viveu naquela época, deixando de seguir em frente e enxergar quem ela é e o que precisa viver hoje. Ela fica apegada a uma idade que já não possui, aos medos que não fazem mais parte do seu dia a dia.

É importante se despedir do passado, guardando na memória coisas boas, motivadoras, experiências que ensinaram e fortaleceram. É necessário fazer amizade consigo mesmo, com aquele “eu do passado” e com o “eu do presente”.

Reflita:

  • Tenho medo de olhar para aquele tempo? Por quê? O que era bom e o que era ruim?
  • Tento esquecer quem eu fui naquela época? Ou tento ser exatamente o mesmo? Quem eu era? Quais eram minhas qualidades e quais eram os meus defeitos?
  • Tenho medo que algo do passado me condene? Ou tenho medo de não ser mais feliz como eu era naquela época?
  • Estou satisfeito com a minha vida hoje? O que é preciso para me sentir interessado pela vida de hoje?

Quando você fizer as pazes com o seu “eu do passado”, perceberá que terá mais controle sobre si mesmo. Talvez entenda que aquela época não tem tanto poder ou controle sobre você como imaginava. Ou então que aquele momento teve o seu brilho, mas também tinha suas tristezas e dificuldades.

Quando a pessoa não consegue se despedir, superar ou enfrentar o seu passado, é indicado acompanhamento com psicólogo.

Categories: Abuso sexual, Ansiedade, Aposentadoria, Baixa autoestima, Conflitos familiares, Desânimo, Estresse, Felicidade, Insegurança, Luto, Mágoa, Medo, Períodos difíceis, Personalidade, Quando buscar atendimento psicológico?, Saudade, Tristeza | Tags: , , , , , , , | Deixe o seu comentário

O que diminui o interesse sexual? / Formas de aumentar o desejo e aproximação do casal para a relação sexual

aproximação casalAs pessoas têm gostos e prazeres de diferentes formas. O que é atraente e estimulante para um, pode não ser para o outro. Essas diferenças também ocorrem na relação sexual. É importante o autoconhecimento do próprio corpo, daquilo que é prazeroso, que excita e ajuda a atingir o orgasmo. A motivação para o sexo costuma ser maior quando a pessoa vivenciou boas experiências na esfera sexual.

É interessante dar a oportunidade de despertar a própria sexualidade, experimentando. Conhecer melhor as regiões do corpo, explorando e estimulando aos poucos. Permitindo-se fazer isso sem preconceitos, de forma mais agradável e positiva possível.

O companheiro (namorado, esposa ou marido) pode ajudar nesse descobrimento do desejo, excitação e orgasmo. As preliminares costumam ser um bom começo. É significativo: praticar a troca das carícias, pois possibilita que a pessoa sinta cada vez mais interesse e sensações prazerosas; deixar o parceiro (a) se aproximar, dizendo a ele (a) o que é ou não excitante.

Ambos precisam sentir prazer, encontrando o contexto amoroso que combine e seja satisfatória para os dois. O interesse em conquistar e satisfazer o outro, costuma facilitar essa união. Cada indivíduo tem suas prioridades, as suas necessidades. O apetite sexual é maior para uns e menor para outros. Tudo vai depender da personalidade, crenças, vivências de cada pessoa.

A pessoa precisa entender a importância e o significado que o sexo tem para a sua vida, quais são as suas necessidades, e a partir disso, conversar com o companheiro. É fundamental a boa comunicação para chegarem a um acordo sobre a importância do sexo para o casal.

Os momentos de carícias, beijos, diálogos no dia a dia, possibilitam a intimidade e o interesse. Algumas pessoas dizem que não querem ter esses momentos, porque muitas vezes associam essas demonstrações de afeto com o sexo. É essencial separar o momento de carinho do momento da relação sexual. Nem todo beijo e carícia é convite para o sexo.

O distanciamento físico pode ser muito prejudicial. É importante que, mesmo sem sexo, consigam manter outras formas de aproximação, de contato corporal.

A intimidade aumenta quando o casal reserva momentos para namorar, passear, realizar atividades juntos (esportiva, dança, cursos). É muito saudável ter esse espaço para relaxar, para se divertirem, tirando o foco dos compromissos ou cobranças. Deixar as preocupações e problemas de lado, aproveitando o momento de intimidade e toques, permitindo-se a entrega. Isso ajudará a relação sexual acontecer de forma mais natural e prazerosa.

É imprescindível entender que nem sempre o sexo será “perfeito“. Não criar tantas expectativas pode tornar o ato sexual menos frustrante e muito mais prazeroso.

 Reflita:

  • falta de interesse pelo sexo? Caso a resposta seja sim, pense, isso sempre aconteceu ou começou “de um tempo para cá”?
  • Como está a autoestima? Sente-se atraente? Está bem consigo, com o seu corpo?
  • Será que há algum problema emocional que esteja causando essa falta de desejo?

Conforme o momento em que a pessoa vive, o seu desejo sexual pode aumentar ou diminuir. Normalmente diminui quando:

  •  Conflitos emocionais (estresse, ansiedade, baixa autoestima)
  • Brigas e magoas entre o casal
  • Traumas (abuso sexual, educação rígida, visão de sexo como imoral, sujo ou pecado)
  • Períodos prolongados sem sexo
  • Filhos pequenos
  • Falta de momentos para o casal
  • Problemas financeiros, desemprego, frustração profissional
  • Causas orgânicas, uso de medicamentos, fraqueza ou dores físicas (consulte o seu médico)

Se a questão da sexualidade está incomodando a pessoa, gerando sofrimento, é indicado avaliação com o médico e acompanhamento com o psicólogo.

Categories: Baixa autoestima, Conflitos familiares, Relacionamento amoroso, Sexualidade | Tags: , , , , , , | Deixe o seu comentário

Por que os animais de estimação podem ser tão importantes nas vidas de algumas pessoas? / Lidando com as feridas emocionais

O animal de estimação pode ser grande companheiro e aliado no bem estar emocional. Pode ajudar quem sente solidão, estimulando a interação, e muitas vezes a superar a dificuldade de toque, aproximação e carinho.

O animal de estimação pode favorecer a pessoa:melhor amigo animal de estimação

  • Descontrair, extravasar e relaxar, deixando em alguns momentos as preocupações de lado
  • Baixar o nível de ansiedade
  • Ao brincar e se divertir com o animal, é possível melhorar o humor, aumentando a produção de substâncias benéficas para o corpo (serotonina e dopamina)

A pessoa pode desenvolver maior autoconfiança ao lado do seu “amiguinho”, enfrentando melhor a sua timidez. Ela sente mais a vontade ao lado do animal, livre das pressões sociais, porque não há julgamentos ou cobranças, ela não se sente pressionada e nem criticada.

Os animais aceitam a pessoa por inteiro, sem questionar riquezas ou aparência física, levando ela se sentir mais segura. Sente amada e sente que o amigo é leal.

O animal pode ter papel muito importante na saúde emocional do ser humano, ajudando a enfrentar e superar muitas feridas emocionais. Mas essa relação depende da personalidade da pessoa e a interação que ela terá com o animal: é preciso sentir confortável na presença do bichinho.

Apesar dos inúmeros benefícios, é sinal de alerta quando a pessoa se relaciona apenas com os animais, criando restrições ao convívio com outros humanos. Nesses casos, é fundamental avaliação psiquiátrica e acompanhamento com o psicólogo.

Categories: Adolescentes, Ansiedade, Baixa autoestima, Compulsão, Comunicação, Conflitos familiares, Estresse, Felicidade, Insegurança, Luto, Saudade, timidez, Tristeza | Tags: , , , , , | 1 Comentário

Create a free website or blog at WordPress.com. The Adventure Journal Theme.